top of page

Pactuar consigo mesma(o)

O pacto que nosso herói faz na obra de Odisseia, ele decide quando está em plena consciência o que fazer para poder atender ao seu desejo sem correr riscos. O Pacto de Ulisses foi um “combinado" com a sua tripulação para que ele pudesse “matar a sua curiosidade” e ouvir o canto das sereias, mas sem comprometer a vida de sua equipe.

Ele sabia que se ouvisse o canto das sereias seria atraído e isso o levaria à morte. Ele próprio não confiava em sua habilidade para tomar uma decisão esclarecida quando estivesse ouvindo o tal canto. Para impedi-lo de mudar de idéia, o pacto contou com a ajuda de sua equipe: ele orientou sua tripulação a tapar os ouvidos (com cera de abelha) e prendê-lo bem firme ao mastro do navio. Apesar de se contorcer e lutar contra ele próprio, atravessa ileso e extremamente fatigado pelo recanto das sereias. O curioso nessa história é que Ulisses, nosso herói, sabia que ele mesmo não seria “confiável” em sua tomada de decisão dentro daquele ambiente com o sedutor canto das sereias. Eu adoro essa aventura, pois ela ilustra como nosso cérebro é dinâmico e podemos cair em armadilhas influenciadas pelo meio ambiente em que estamos. Quantas vezes você já percebeu isso? Aquela história de “cai de novo na armadilha, … briguei/ calei” Peguei a isca e me dei mal. Parece que eu não aprendo? Calma aí! Não é exatamente uma questão de aprendizado, mas é essa interação entre partes emocionais, cognitivas e corporais (somáticas) do nosso cérebro. Não somos máquinas, não temos um botão para ligar e desligar nossa emoção ou definir nossa ação. Somos complexos e dinâmicos. Reconhecer isso é aprendizado, Além de não nos julgar por “cairmos na armadilha do contexto", podemos nos preparar para essas situações, buscar por gatilhos (expressões, acessórios, ...) para nos ajudar a nos “controlar” ou nos segurar como fez Ulisses no mastro do navio.

Nessa busca por protagonismo em saúde, às vezes a gente desanima, parece que nos esforçamos tanto mas não percebemos mudanças. A sensação pode ir além do desânimo, ela pode envolver até a falta de amparo, … "parece que ninguém poderá me ajudar”.

Defende-se muito a importância da sua disciplina para manter a saúde, temos uma lista gigantesca de deveres: desde alimentação, sono, até pensamentos …são tantas informações, que chegam a ser exaustivas e hoje em dia podem facilmente entrar no grupo daquela “positividade tóxica”. Tudo em excesso faz mal! Muito mal!

A disciplina é importante, Definir momentos para “se segurar” como Ulisses fez Reconhecer momentos de pedir ajuda Mas para tudo isso é preciso dar um passinho para trás, observar o que vem pela frente e estabelecer qual ajuda precisamos naquele momento. Isso tudo é quase fácil de ouvir e é muito difícil de fazer. Eu sei, e não estamos sozinhos, muitos estudos também concordam conosco: quando estamos cansados é mais difícil tomar uma decisão, fazer uma escolha, ponderar prós e contra. Quanto mais cansados, mais vulneráveis estamos e mais seduzidos pela necessidade básica de recuperar energia, por isso que é mais difícil resistir ou mais difícil não “cair na armadilha” às vezes até chamam de auto-sabotagem. Aquela famosa gula do fim do dia… pode ser uma busca por energia, algo que satisfaça seu esforço do dia,… quando estamos mais cansados é mais difícil resistir e seguir a disciplina que desejamos. Por isso a importância de nos prepararmos como Ulisses. Que tal aumentar esse nível de energia fazendo um Pacto com você mesma ou você mesmo? #saudecomprotagonismo



--

Juliana Barcellos de Souza, Ph.D Fisioterapeuta - Clínica Educa a Dor http://www.educaador.com http://lattes.cnpq.br/00091233895337522

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square