ONDE ESTAMOS

HORÁRIO

Rua Deputado Antonio Edu Vieira, 58, Florianópolis, SC

CEP 88040-000

Recepção:

Seg-Qui 8:00h às 12:00h 

Seg-Sex 13:30h às 17:30h

Demais horários

atendimento@educaador.com

FALE CONOSCO

Recepção - Telefone:

(48) 3371.3367

(48) 99677.0246

WhatsApp

(48) 99677.0246

Email: atendimento@educaador.com

Nome da empresa: Educa a dor - Tratamento multidisciplinar de dores crônicas Ltda 

CNPJ 10.582.637/0001-97. 

Endereço comercial:   Rua Deputado Antônio Edu Viera, 58,  Florianópolis, SC, Brasil - CEP 88040-000

Data estimada de entrega dos produtos: até  3 dias úteis após a confirmação do pagamento.

© 2023 by Nick Erickson Physiotherapy. Proudly created with Wix.com

Que Tal? Não pare, pois ficar parado (TAMBÉM) dói


Você já percebeu que ficar parado dói?

Viver com dor as vezes parece ser um caminho sem saída:

"se por um lado resolvo me mexer, sinto dor;

mas se opto por ficar parada!

Nem quero imaginar quando tiver que

me levantar para sair...

haja dor para (re)começar o movimento."

Parece confuso e sem saída, por isso mesmo que as vezes a gente se assusta e até desespera quando sente dor.

Mas calma aí?!

Vamos tentar entender estas duas situações de dor para podermos escolher com mais propriedade o que fazer e porquê escolher: repouso ou movimento!?

Primeiro ponto:

As dores doem igualzinhas?

A dor durante a caminhada é a mesma que dói quando eu volto para casa?

E a dor de ficar parado? Também é tudo igual?

Na verdade não. Nem o tipo, nem o motivo da dor. Aliás pode haver vários tipos e motivos para cada uma das situações de dores.

Nossa! Agora parece que ficou ainda mais confuso.

E é mesmo muito confuso, principalmente se você que está lendo este texto não sofra com dor crônica e queira somente entender um pouco mais sobre o assunto.

A maioria das pessoas que convive com dor crônica já percebeu que "ela muda", "caminha", muda tipo, intensidade e duração. Sim, a dor é um fenômeno dinâmico!

Ela é modulada (aumenta, diminui intensidade) ao longo de todo o trajeto nervoso percorrido em nosso corpo e cérebro.

Por isso a importância de avaliar a(s) sua(s) dor(es)!

Segundo ponto:

Se compararmos a dor de hoje com a dor de ontem, elas são iguais? Iguaizinhas?

Também não!

Então, temos mais uma mudança para a coleção de descritores, intensidade e tipos de dor.

A dor após uma caminhada ou um exercício físico é diferente da dor por ter ficado parado?

Sim. Isto ocorre por vários motivos, tanto fisiológicos (funcionamento do músculo), neurofisiológico (como os neurotransmissores e "nervos conversam"), psicológicos (pela alegria de ao menos ter conseguido fazer algo novo, diferente e muitas vezes bem legal!), social (por tem encontrado outras pessoas e ter histórias que ouviu ou viveu para contar aos outros).... entre várias outras mudanças.

E a longo prazo, você acha que qual delas irá fazer você ficar mais forte, e principalmente com maior disposição para sair por ai?

Então tenha coragem e siga em frente!

Escolha seus caminhos, suas aventuras e desventuras.

Só não fique parado, porque parado TAMBÉM dói!

E parado, ... é triste porque nada acontece.

A vida foi feita para ser vivida!

Sempre vale a pena investir um pouquinho nos seus caminhos.

#Quetal

59 visualizações