ONDE ESTAMOS

HORÁRIO

Rua Deputado Antonio Edu Vieira, 58, Florianópolis, SC

CEP 88040-000

Recepção:

Seg-Qui 8:00h às 12:00h 

Seg-Sex 13:30h às 17:30h

Demais horários

atendimento@educaador.com

FALE CONOSCO

Recepção - Telefone:

(48) 3371.3367

(48) 99677.0246

WhatsApp

(48) 99677.0246

Email: atendimento@educaador.com

Nome da empresa: Educa a dor - Tratamento multidisciplinar de dores crônicas Ltda 

CNPJ 10.582.637/0001-97. 

Endereço comercial:   Rua Deputado Antônio Edu Viera, 58,  Florianópolis, SC, Brasil - CEP 88040-000

Data estimada de entrega dos produtos: até  3 dias úteis após a confirmação do pagamento.

© 2023 by Nick Erickson Physiotherapy. Proudly created with Wix.com

Hérnia de disco, mitos e verdades (2)


Afinal o que é a hérnia de disco?

As dores na coluna são um mal recorrente para a maioria da população adulta. Estimativas apontam que cerca de 30% dessas dores se tornam crônicas ao longo da vida — ou seja, passem a acompanhar o indivíduo em maior intensidade e recorrência.

Dentre as causas de dores na coluna mais comuns está a hérnia de disco. Advinda de uma fissura no disco intervertebral, a hérnia é causada pela má postura, exercícios ou movimentos bruscos, entre outras condições que lesionam o disco, fazendo com que ela pressione os nervos daquela região e cause a dor.

Coordenadora Científica do Comitê de Dor e Movimento da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor, a especialista Juliana Barcellos de Souza explica o que é especificamente a hérnia de disco por meio de uma analogia simples: “Entre cada corpo vertebral há um disco intervertebral cuja função é amortecer e garantir a mobilidade da coluna em diversas direções (flexão, extensão, inclinação e rotação). A hérnia é uma projeção do disco além do limite do corpo vertebral, seria como uma “massinha de modelar seca” que, ao mobilizar, ela perde a sua integridade — ao contrário de uma “massinha de modelar” nova, úmida, com a qual podemos trabalhar em várias direções sem que ela se desmanche”.

A fisioterapeuta alerta que uma quantidade significativa da população adulta sofre de hérnia de disco e aponta algumas possíveis causas para isso: “O avanço da idade e a perda de água na composição corporal, associada ao envelhecimento, deformidades, lesões, sedentarismo e fatores genéticos, são alguns fatores responsáveis pela degeneração do disco. Contudo, esforços físicos, sedentarismo e sobrepeso também podem ocasionar o evento”. Outros sintomas são o enfraquecimento dos membros ou sensação de formigamento, dores intensas na região afetada da coluna ou nos nervos.

Para diagnosticar a hérnia de disco o médico realiza um exame físico ou analisa o histórico clínico do paciente. Dentre os possíveis tratamentos, a fisioterapia é muito recorrente, pois ela recupera os movimentos que não conseguimos realizar por conta da hérnia.

“O tratamento com fisioterapia visa facilitar os movimentos da coluna que foram prejudicados pelos anos. Facilitar esses movimentos e recuperar a função da coluna são questões muito importantes para que não haja mais dor”, explica.

Geralmente, o médico avalia qual a melhor série de tratamentos fisioterápicos para o paciente. Entre eles estão a hidroterapia, o pilates, a eletroterapia, o RPG e alguns exercícios aeróbicos.

Além dos alongamentos e exercícios aplicados na fisioterapia, é preciso melhorar os hábitos alimentares, a hidratação, o sono e combater o sedentarismo. Em última instância, se a hérnia estiver em um local crítico e em estado comprometedor, a cirurgia é recomendada.

“É preciso desmistificar a hérnia de disco, pois os pacientes costumam se assustar com o nome antes de saber o que significa. É preciso mapear a dor e observa suas causas, pois muitas vezes elas estão associadas a outros fatores que precisam de correção”, conclui.

Fonte: Sociedade Brasileira para Estudo da Dor

https://dicascidade.com.br/saude-e-bem-estar/afinal-o-que-e-a-hernia-de-disco/

Entrevistada: Juliana Barcellos de Souza, PhD

Fisioterapeuta Clínica Educa a Dor. Crefito 10 / 31028-F

Diretora científica do Comitê Dor e Movimento (2016-2017)

Diretora Secretária da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (2016-2017)

#entrevista

5 visualizações