Avançar para o conteúdo principal

Conhecer sobre a fisiologia da dor assegura maior sucesso ao tratamento

A sensibilização central é um dos modelos teóricos para para explicar casos de dores musculoesqueléticas cuja causa é inexplicável
 (ou de causa desconhecida).




Dores de causa inexplicável como lombalgias, fibromialgia, cervicalgia e L.E.R (D.O.R.T ou A.M.E.R.T.), cujo exames complementares  (exemplo: ressonância magnética, exames de laboratório, Tomografia computadorizada, Ultrassom,...) são incapazes de explicar a intensidade da dor referida pelo paciente, podem ser explicadas por modelos teóricos como o de sensibilização central. 



Entender "o que ocorre por trás da dor persistente" é, em muitos casos crucial antes de iniciar a reabilitação do paciente, e para mudar os aspectos cognitivos associados a dor e recontextualizar o sintoma, oferece-se cursos aos pacientes que sofrem com dores crônicas. Estes cursos pré tratamento são relativamente comuns em países europeus e norte americanos. A Clínica Educa a dor oferece alguns programas com esta abordagem educativa, variando de encontros individuais (2 encontros de uma hora - Modelo Belga e Americano); "workshop" (4 horas de encontro em grupo - Modelo Americano e Canadense) até um programa de autonomia no controle da dor (de 6 à 8 pessoas, 9 encontros de 2horas cada - Modelo Canadense).  

Várias propostas existem, aquelas em grupos, como workshops, ou sessões individuais. Modelos breves de 1-2 horas até modelos extensos podendo ultrapassar os 4 meses. Cabe a cada país, sistema de saúde e a cada pessoa buscar o programa que melhor se adapta a sua necessidade.

De forma geral, explica-se ao paciente como ocorre esta sensibilização central, e qual o papel deste mecanismo na dor crônica. Explica-se qual a diferença entre a dor aguda e a dor crônica. Identifica-se os aspectos biopsicossocias da dor. Para favorecer o aprendizado há um material educativo por escrito e tarefas escritas para casa. Um segundo encontro é importante para corrigir informações mal compreendidase facilitar a transição entre o conhecimento adquirido e as estratégias de controle da dor no quotidiano.

Realizar este breve curso antes do tratamento dá início a um processo cognitivo que evolui durante o tratamento ativo e ao longo de todo o programa de reabilitação. Acelera o sucesso do tratamento.



Se você tem interesse entre em contato.
Oferecemos cursos também para profissionais da saúde.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Prevenção da dor crônica

O tratamento precoce de qualquer doença sempre foi uma sábia ação.Com a dor não é diferente. Não sofra à toa! Não tente suportar a dor em situações difíceis e sobretudo, Não deixe que a dor influencie a sua qualidade de vida! Tome uma atitude, adote estratégias (farmacológicas ou não) para o conter o sintoma. 
Eu me lembro bem, eu no pós-operatório da minha cirurgia de apendicite (com 9 semanas de gestação do meu primeiro bebê). Acordei e senti dor. Pedi analgésicos até chegar a um vestígio do sintoma. Eu não ia sair dali com dor né!? Eu estava no melhor local para ser medicada, tinha que garantir meu conforto ali, no hospital, tanto no pré operatório quando no pós! Afinal de contas se estudamos a dor crônica e verificamos que cirurgias com analgesia ineficaz são potenciais fatores de risco para a dor persistente - eu não queria isso de brinde!? E Nem você! Então fale SEMPRE e não sinta dor à toa.
(abro parênteses para defender a dor do parto natural - esta não é uma dor à toa, é uma do…

Dor no Frio - piora? o que fazer?

Hernia de disco - na mídia - com Dra. Juliana Barcellos de Souza, PhD, Fisioterapeuta Educa a Dor

Mal recorrente na população adulta, cerca de 30% das dores na colunapodem se tornar crônicas – com maior intensidade e duração. Entre as causas mais comuns, está a Hérnia de Disco. Advinda de uma fissura no disco intervertebral,é resultado da má postura, de exercícios ou movimentos bruscos, que pressiona os nervos da região e gera dor.

“Entre cada corpo vertebral, há um disco intervertebral, cuja função é amortecer e garantir a mobilidade da coluna em diversas direções. A hérnia é uma projeção do disco além do limite do corpo vertebral, uma espécie de massa de modelar seca que, ao mobilizar, perde sua integridade - ao contrário de uma massa nova, úmida, que podemos trabalhar em várias direções sem desmanchar”, explica a dra. Juliana Barcellos, Coordenadora Científica do Comitê de Dor e Movimento da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED).

A fisioterapeuta alerta que uma quantidade significativa da população adulta sofre de hérnia de disco e aponta possíveis fatore…