Avançar para o conteúdo principal

Dor é tema de evento em Florianópolis (Saraga Schiestl / RIC)




Reportagem JornalNoticias do Dia 
RIC / Record

Saraga Schiestl
2 de julho de 2011




A ACED (Associação Catarinense para o Estudo da Dor) realizou neste sábado (2) evento para combater os males da dor crônica
Saraga Schiestl


Palestras com orientação para lidar com a dor ou evitá-la estavam à disposição da população

Se você sente algum tipo de dor crônica, como dor de cabeça ou dor nas costas, saiba que você não está sozinho. Somente em Florianópolis, 27% da população sentem algum desconforto que dura por mais de seis meses e, dessas pessoas, as mulheres são as mais prejudicadas. Elas representam uma fatia de 32% do total de moradoras da Capital que todos os dias convivem com algum desconforto.

Para alertar a população sobre os perigos de se conviver com a dor, a ACED (Associação Catarinense para o Estudo da Dor), realizou neste sábado (2) a segunda edição do evento que lembra o Dia do Paciente com Dor. Foram realizadas palestras sobre saúde mental e física e, além disso, a comunidade recebeu dicas sobre como não se transformar em mais um integrante do grupo que sente dor crônica.

“Dor é coisa séria e, muitas vezes pode ocultar outras doenças ainda mais graves”, explica a coordenadora do evento, Juliana Barcellos. Por exemplo, uma dor de cabeça crônica pode significar problemas no aparelho digestivo, tensões na área do pescoço, a necessidade de utilizar óculos e até disfunções hormonais. “A pessoa que está sentindo alguma dor deve procurar primeiro um médico generalista. Ele é quem está apto a encaminhar o paciente para as outras especialidades”, reforça Juliana.

Dicas

Durante o evento, fisioterapeutas da Secretaria Municipal de Saúde apresentaram dicas práticas do dia a dia que devem ser seguidas por todos, mesmo por aquelas pessoas que não sentem dores fortes e constantes.

#1 – O varal

O varal precisa estar na altura dos ombros para que a pessoa não precise se esticar ao estender a roupa. “Vale colocar a corda mais baixa e depois que terminar de pendurar todas as roupas erguê-lo novamente com um bambu”, diz a fisioterapeuta Cecília Coelho. Varais de chão, mais utilizados em apartamentos são os mais aconselháveis para evitar problemas de coluna.

#2 – Passar roupa ou lavar a louça

Para essas duas atividades, a dica dos fisioterapeutas é que a pessoa coloque um pequeno banco para apoiar um dos pés. Os pés devem ser trocados constantemente para que o corpo não deposite o peso total apenas em um lado.

#3 – Posição para dormir

A melhor posição para dormir é de lado, com um travesseiro colocado entre as pernas, que devem ficar dobradas. O travesseiro que vai à cabeça não pode ser nem muito alto, nem tão baixo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Prevenção da dor crônica

O tratamento precoce de qualquer doença sempre foi uma sábia ação.Com a dor não é diferente. Não sofra à toa! Não tente suportar a dor em situações difíceis e sobretudo, Não deixe que a dor influencie a sua qualidade de vida! Tome uma atitude, adote estratégias (farmacológicas ou não) para o conter o sintoma. 
Eu me lembro bem, eu no pós-operatório da minha cirurgia de apendicite (com 9 semanas de gestação do meu primeiro bebê). Acordei e senti dor. Pedi analgésicos até chegar a um vestígio do sintoma. Eu não ia sair dali com dor né!? Eu estava no melhor local para ser medicada, tinha que garantir meu conforto ali, no hospital, tanto no pré operatório quando no pós! Afinal de contas se estudamos a dor crônica e verificamos que cirurgias com analgesia ineficaz são potenciais fatores de risco para a dor persistente - eu não queria isso de brinde!? E Nem você! Então fale SEMPRE e não sinta dor à toa.
(abro parênteses para defender a dor do parto natural - esta não é uma dor à toa, é uma do…

Dor no Frio - piora? o que fazer?

Hernia de disco - na mídia - com Dra. Juliana Barcellos de Souza, PhD, Fisioterapeuta Educa a Dor

Mal recorrente na população adulta, cerca de 30% das dores na colunapodem se tornar crônicas – com maior intensidade e duração. Entre as causas mais comuns, está a Hérnia de Disco. Advinda de uma fissura no disco intervertebral,é resultado da má postura, de exercícios ou movimentos bruscos, que pressiona os nervos da região e gera dor.

“Entre cada corpo vertebral, há um disco intervertebral, cuja função é amortecer e garantir a mobilidade da coluna em diversas direções. A hérnia é uma projeção do disco além do limite do corpo vertebral, uma espécie de massa de modelar seca que, ao mobilizar, perde sua integridade - ao contrário de uma massa nova, úmida, que podemos trabalhar em várias direções sem desmanchar”, explica a dra. Juliana Barcellos, Coordenadora Científica do Comitê de Dor e Movimento da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED).

A fisioterapeuta alerta que uma quantidade significativa da população adulta sofre de hérnia de disco e aponta possíveis fatore…