Avançar para o conteúdo principal

Enxaquecas, migrânias, cefaléias do tipo tensional e de outros tipos .... Por que tantos nomes para a dor de cabeça?

Dor de cabeça, dados da Organização Mundial da Saúde apontam que mais de 90% das pessoas devem sofrer ao menos uma vez na vida uma crise com dores de cabeça. Estas dores estão entre as mais frequentes na população e representam pouco mais da metade do motivo de consultas ao neurologista.

O que diferencia as dores de cabeça variam desde o local da dor (nas temporas, de um lado só, dos dois lados, no fundo dos olhos, em forma de capacete), o tipo de dor (pulsante, latejante, contínua, intermitente) até os fatores que desencadeiam ou pioram a dor (luz, barulho, odores) e as possíveis causas da dor. As mais comuns são as enxaquecas e cefaléias do tipo tensional.



Se por um lado as cefaléias do tipo tensional têm um fator biomecânico com desequilíbrio muscular, possível compressão de nervos, associados a má postura. Por outro lado, vários pesquisadores apontam desequiblíbio neurofisiológico na modulação (interpretação) da dor.

Embora receba vários nomes, classificada sob vários termos, o impacto psicossocial e limitação física causados pelo sintoma são muito parecidos entre elas.

A dificuldade de concentração ou de manter o foco em uma conversa, e as vezes até mesmo dificuldades de locomoção (dirigir um carro ou caminhar). Quem sofre de dor de cabeça reduz sua participação em eventos sociais, tende a isolar-se, no escuro, no silêncio, tentando controlar ao máximo os estímulos externos para controlar a dor...

Vários tratamentos para cada tipo de dor de cabeça, mas todos com um mesmo objetivo:  aliviar o sintoma para permitir melhora na qualidade de vida!


Juliana Barcellos de Souza - Geovana Regis

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Prevenção da dor crônica

O tratamento precoce de qualquer doença sempre foi uma sábia ação.Com a dor não é diferente. Não sofra à toa! Não tente suportar a dor em situações difíceis e sobretudo, Não deixe que a dor influencie a sua qualidade de vida! Tome uma atitude, adote estratégias (farmacológicas ou não) para o conter o sintoma. 
Eu me lembro bem, eu no pós-operatório da minha cirurgia de apendicite (com 9 semanas de gestação do meu primeiro bebê). Acordei e senti dor. Pedi analgésicos até chegar a um vestígio do sintoma. Eu não ia sair dali com dor né!? Eu estava no melhor local para ser medicada, tinha que garantir meu conforto ali, no hospital, tanto no pré operatório quando no pós! Afinal de contas se estudamos a dor crônica e verificamos que cirurgias com analgesia ineficaz são potenciais fatores de risco para a dor persistente - eu não queria isso de brinde!? E Nem você! Então fale SEMPRE e não sinta dor à toa.
(abro parênteses para defender a dor do parto natural - esta não é uma dor à toa, é uma do…

Dor no Frio - piora? o que fazer?

Hernia de disco - na mídia - com Dra. Juliana Barcellos de Souza, PhD, Fisioterapeuta Educa a Dor

Mal recorrente na população adulta, cerca de 30% das dores na colunapodem se tornar crônicas – com maior intensidade e duração. Entre as causas mais comuns, está a Hérnia de Disco. Advinda de uma fissura no disco intervertebral,é resultado da má postura, de exercícios ou movimentos bruscos, que pressiona os nervos da região e gera dor.

“Entre cada corpo vertebral, há um disco intervertebral, cuja função é amortecer e garantir a mobilidade da coluna em diversas direções. A hérnia é uma projeção do disco além do limite do corpo vertebral, uma espécie de massa de modelar seca que, ao mobilizar, perde sua integridade - ao contrário de uma massa nova, úmida, que podemos trabalhar em várias direções sem desmanchar”, explica a dra. Juliana Barcellos, Coordenadora Científica do Comitê de Dor e Movimento da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED).

A fisioterapeuta alerta que uma quantidade significativa da população adulta sofre de hérnia de disco e aponta possíveis fatore…