Avançar para o conteúdo principal

Toda a dor é igual?

Você já se questionou se todas as dores são iguais?

Se você sofre de algum tipo de dor persistente, ou conhece alguém que sofra, certamente já observou que as dores não parecem ser iguais de uma pessoa para outra.

Primeiramente, há medicamentos que aliviam as dores de uns, mas não as de outros.
Mulheres e homens têm comportamento de dor diferente, uns toleram mais e outros menos. Uns se queixam menos e outros mais.

As pessoas são diferentes entre si, assim como a expressão de suas dores.

Porém, além das diferenças visíveis no comportamento, será que as dores em si, não diferem?
Sim. Na verdade existe alguns tipos de classificação da dor. Ela pode ser classificada pela sua localização-tecido lesado (neuropática, viceral, ...), assim como pela sua duração.

De acordo com a duração da dor podemos classificá-la em dois grandes grupos (há um terceiro grupo entre estes dois) .

Dor aguda, geralmente aquela dor associada a lesão de um tecido, a uma cirurgia, fratura, ... Esta dor é causada pela lesão de um tecido e pela lesão de terminações nervosas livres presentes na superfície do corpo (pele). Esta dor é muito importante para garantir a integridade do organismo.
Geralmente tratada com medicação, repouso, curativos. Esta dor tende a melhorar com a cicatrização do tecido lesado.

Dor crônica, esta dor é persistente, dura mais de 3 meses e não está associada a lesão de tecido. Esta dor pode ser considerada uma doença em si. Vários problemas no organismo podem causar uma dor crônica, e nenhum deles exige a cicatrização. Ao contrário, para que se tenha sucesso no tratamento estas dores exigem uma abordagem biológica, psicológica e social do problema. Sua complexidade exige sintonia no tratamento, entre familiares, profissionais de saúde e familiares.



Circulo vicioso da dor:
Lombalgia -> movimentos dolorosos
->medo de se machucar -> inatividade
-> perda da mobilidade -> fraqueza
-> Dor, Lombalgia
A dor torna-se crônica com o tempo

Pacientes com dor crônica - as vezes - não são levados a sério, pois não há um exame que prove a existência da dor. Esta desconfiança da dor gera conseqüências negativas no tratamento. Torna a abordagem ainda mais complicada do que o normal.
Acreditar na dor do outro é fundamental, e alivia a ansiedade, ajuda no sono, e no bem estar daquele que sofre de dores persistentes.

Réu/Paciente: "Doutores, eu estou doente
Juizes/Doutores: "Jure"   "Prove. se você for homem"


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Prevenção da dor crônica

O tratamento precoce de qualquer doença sempre foi uma sábia ação.Com a dor não é diferente. Não sofra à toa! Não tente suportar a dor em situações difíceis e sobretudo, Não deixe que a dor influencie a sua qualidade de vida! Tome uma atitude, adote estratégias (farmacológicas ou não) para o conter o sintoma. 
Eu me lembro bem, eu no pós-operatório da minha cirurgia de apendicite (com 9 semanas de gestação do meu primeiro bebê). Acordei e senti dor. Pedi analgésicos até chegar a um vestígio do sintoma. Eu não ia sair dali com dor né!? Eu estava no melhor local para ser medicada, tinha que garantir meu conforto ali, no hospital, tanto no pré operatório quando no pós! Afinal de contas se estudamos a dor crônica e verificamos que cirurgias com analgesia ineficaz são potenciais fatores de risco para a dor persistente - eu não queria isso de brinde!? E Nem você! Então fale SEMPRE e não sinta dor à toa.
(abro parênteses para defender a dor do parto natural - esta não é uma dor à toa, é uma do…

Dor no Frio - piora? o que fazer?

Hernia de disco - na mídia - com Dra. Juliana Barcellos de Souza, PhD, Fisioterapeuta Educa a Dor

Mal recorrente na população adulta, cerca de 30% das dores na colunapodem se tornar crônicas – com maior intensidade e duração. Entre as causas mais comuns, está a Hérnia de Disco. Advinda de uma fissura no disco intervertebral,é resultado da má postura, de exercícios ou movimentos bruscos, que pressiona os nervos da região e gera dor.

“Entre cada corpo vertebral, há um disco intervertebral, cuja função é amortecer e garantir a mobilidade da coluna em diversas direções. A hérnia é uma projeção do disco além do limite do corpo vertebral, uma espécie de massa de modelar seca que, ao mobilizar, perde sua integridade - ao contrário de uma massa nova, úmida, que podemos trabalhar em várias direções sem desmanchar”, explica a dra. Juliana Barcellos, Coordenadora Científica do Comitê de Dor e Movimento da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED).

A fisioterapeuta alerta que uma quantidade significativa da população adulta sofre de hérnia de disco e aponta possíveis fatore…