Avançar para o conteúdo principal

Problemas com o sono?

Dormir , com qualidade, é um dos itens fundamentais para garantir a qualidade de vida do indivíduo. O sono, em suas diferentes fases, proporciona liberação de hormônios e neurotransmissores que melhoram o humor, promovem reparação de pequenos danos musculares, entre outros. No Brasil, desconhecemos estatísticas que indiquem a qualidade do sono da população, porém, dados norte americanos indicam que em 2000 acima de 60% da população dos Estados Unidos relatava ter problema para dormir ao menos um vez por semana. Em 2005 passou a 75%, tornando-se um problema importante em nossa sociedade, pois carência de sono interfere diretamente nas atividades cotidianas, nas interações sociais e no humor, podendo resultar em perda na produtividade e em lesões corporais de diversos níveis.
A qualidade do sono depende de vários fatores intrínsecos e extrínsecos ao indivíduos. Do ponto de vista intrínseco, fatores psicológicos e fisiológicos influenciam a qualidade do sono, como o estresse, a dor e doenças que afetam o indivíduos em sua totalidade. Dentre os fatores extrínseco aparece o colchão como um dos principais figurantes do problema. O desconforto ao deitar-se em um colchão pode resultar em problemas que vão além da má qualidade do sono, como, por exemplo, em dores nas costas e ombros durante o dia.
Profissionais da saúde são frequentemente questionados sobre o tipo de colchão a usar. Embora diversos estudos tenham sido realizados, os resultados variam entre colchões de densidade alta e de densidade média-alta. Ainda não há uma recomendação única e precisa, mas sabe-se que as densidades mais firmes são melhores que os colchões com densidade baixa. 

Seu corpo merece dormir bem
Não economize na escolha do seu colchão
Crie uma rotina para seu sono
Durma bem e recupere-se para o dia seguinte
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Prevenção da dor crônica

O tratamento precoce de qualquer doença sempre foi uma sábia ação.Com a dor não é diferente. Não sofra à toa! Não tente suportar a dor em situações difíceis e sobretudo, Não deixe que a dor influencie a sua qualidade de vida! Tome uma atitude, adote estratégias (farmacológicas ou não) para o conter o sintoma. 
Eu me lembro bem, eu no pós-operatório da minha cirurgia de apendicite (com 9 semanas de gestação do meu primeiro bebê). Acordei e senti dor. Pedi analgésicos até chegar a um vestígio do sintoma. Eu não ia sair dali com dor né!? Eu estava no melhor local para ser medicada, tinha que garantir meu conforto ali, no hospital, tanto no pré operatório quando no pós! Afinal de contas se estudamos a dor crônica e verificamos que cirurgias com analgesia ineficaz são potenciais fatores de risco para a dor persistente - eu não queria isso de brinde!? E Nem você! Então fale SEMPRE e não sinta dor à toa.
(abro parênteses para defender a dor do parto natural - esta não é uma dor à toa, é uma do…

Dor no Frio - piora? o que fazer?

Desmistificando a Hérnia de Disco - Entrevista

08/10/2016Saúde Mal recorrente na população adulta, cerca de 30% das dores na coluna
podem se tornar crônicas – com maior intensidade e duração. Entre as causas mais
comuns, está a Hérnia de Disco. Advinda de uma fissura no disco intervertebral,
é resultado da má postura, de exercícios ou movimentos bruscos, que pressiona
os nervos da região e gera dor.
“Entre cada corpo vertebral, há um disco intervertebral, cuja função é amortecer e garantir a mobilidade da coluna em diversas direções. A hérnia é uma projeção do disco além do limite do corpo vertebral, uma espécie de massa de modelar seca que, ao mobilizar, perde sua integridade – ao contrário de uma massa nova, úmida, que podemos trabalhar em várias direções sem desmanchar”, explica a dra. Juliana Barcellos, Coordenadora Científica do Comitê de Dor e Movimento da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED).
A fisioterapeuta alerta que uma quantidade significativa da população adulta sofre de hérnia de disco e apo…