Avançar para o conteúdo principal

Gilberto Dimenstein - dor crônica e formação dos profissionias da saúde


20/10/2010 - 08h21

Ignorância dói

Sempre tento mostrar aqui os vários custos da ignorância, reflexo de nosso precário sistema educacional. Um deles dói. Literalmente. Muita gente sofre desnecessariamente apenas porque não conhece as doenças que provocam dores crônicas e não sabe como se tratar --e, pior, nem muitos médicos estão devidamente preparados para tratar esses pacientes com dores permanentes nas articulações, cabeça ou coluna.
É o que mostra uma experiência de internet, feita com a ajuda do departamento de telemedicina da USP, que tenta explicar didaticamente as dores crônicas (o detalhamento está nowww.catracalivre.com.br) além de mostrar uma série de locais em que as pessoas podem se tratar gratuitamente --inclusive com psicanalistas.
Por falta de informação sobre essas doenças, pacientes retardam o tratamento e, muitas vezes, acabam ficando depressivas, ansiosas, com sérios distúrbios mentais. Nem os médicos saberiam entender direito esses pacientes, complicando o problema. Sem contar a precariedade do atendimento do serviço público.
Esse trabalhado de telemedicina foi baseado em pesquisas mostrando que apenas conhecer os sintomas com mais precisão ajudaria a reduzir a dor, facilitando o tratamento.
Como nesta semana estamos comemorando o Dia do Médico, essa informação serve como símbolo do conhecimento para a cura.
Transporte isso para a política, lembre quantos Tiriricas elegemos e sustentamos e veja quantas dores de cabeça poderíamos evitar.
Gilberto Dimenstein
Gilberto Dimenstein, 53 anos, é membro do Conselho Editorial da Folha e criador da ONG Cidade Escola Aprendiz. Coordena o site de jornalismo comunitário daFolha. Escreve para a Folha.com às segundas-feiras.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Prevenção da dor crônica

O tratamento precoce de qualquer doença sempre foi uma sábia ação.Com a dor não é diferente. Não sofra à toa! Não tente suportar a dor em situações difíceis e sobretudo, Não deixe que a dor influencie a sua qualidade de vida! Tome uma atitude, adote estratégias (farmacológicas ou não) para o conter o sintoma. 
Eu me lembro bem, eu no pós-operatório da minha cirurgia de apendicite (com 9 semanas de gestação do meu primeiro bebê). Acordei e senti dor. Pedi analgésicos até chegar a um vestígio do sintoma. Eu não ia sair dali com dor né!? Eu estava no melhor local para ser medicada, tinha que garantir meu conforto ali, no hospital, tanto no pré operatório quando no pós! Afinal de contas se estudamos a dor crônica e verificamos que cirurgias com analgesia ineficaz são potenciais fatores de risco para a dor persistente - eu não queria isso de brinde!? E Nem você! Então fale SEMPRE e não sinta dor à toa.
(abro parênteses para defender a dor do parto natural - esta não é uma dor à toa, é uma do…

Dor no Frio - piora? o que fazer?

Hernia de disco - na mídia - com Dra. Juliana Barcellos de Souza, PhD, Fisioterapeuta Educa a Dor

Mal recorrente na população adulta, cerca de 30% das dores na colunapodem se tornar crônicas – com maior intensidade e duração. Entre as causas mais comuns, está a Hérnia de Disco. Advinda de uma fissura no disco intervertebral,é resultado da má postura, de exercícios ou movimentos bruscos, que pressiona os nervos da região e gera dor.

“Entre cada corpo vertebral, há um disco intervertebral, cuja função é amortecer e garantir a mobilidade da coluna em diversas direções. A hérnia é uma projeção do disco além do limite do corpo vertebral, uma espécie de massa de modelar seca que, ao mobilizar, perde sua integridade - ao contrário de uma massa nova, úmida, que podemos trabalhar em várias direções sem desmanchar”, explica a dra. Juliana Barcellos, Coordenadora Científica do Comitê de Dor e Movimento da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED).

A fisioterapeuta alerta que uma quantidade significativa da população adulta sofre de hérnia de disco e aponta possíveis fatore…