Avançar para o conteúdo principal

Fibromialgia - exite ou não existe?

Fibromialgia


Definição: dor pesistente por mais de 3 meses, que atinge ao menos 3/4 do corpo, e apresenta dor a palpação (4Kgf) em no mínimo 11 dos 18 pontos anatômicos mapeados (tender points)  -  Critério diagnóstico antigo, de 1990 - em 2010 lançaram os novos critérios - falarei deles em outro tópico)
Diagnóstico: reconhecido pela Organização Mundial de Saúde em 1996  (CID 10a edição)

Mas têm gente que não acredita e isso é motivo de mais sofrimento entre os pacientes.

Eu pergunto aqueles que sofrem, existe?
Claro que sim! Seja este o nome, ou outro que queiram inventar, o importante é que existe!

No meio científico também encontramos aqueles que dizem que não existe, e encontramos até uns mais loucos ainda (tipo eu) que dizem que existe Fibromialgia e não é só um tipo!
Pois é, têm gente que acredita que existem vários tipos de fibromialgia  *sub grupos de fibromialgia *, e isso ajudaria a explicar porque os efeitos de medicamentos (pacientes heterogêneos) são tão diferentes entre os pacientes.

Se são dois ou três tipos, ainda não chegamos a uma conclusão só. Eu publiquei um artigo que falava em dois tipos, mas tenho dúvida se não são 3 mesmos.   Um trabalho recente com dados brasileiros será publicado no próximo Congresso Brasileiro de Dor (out/2010), e encontramos novamente dois tipos de pacientes com fibro.
A diferença: intensidade dos sintomas: dor, fadiga, sono, rigidez, ansiedade e depressão. O mais curioso é que temos sempre um grupo que parece não apresentar problemas de ansiedade e depressão, mesmo sofrendo de insônia e dores intensas. Por quê?  Esta é uma longa discussão.


O interessante é que clinicamente sabemos que alguns pacientes PRECISAM muito de ajuda de PSICÓLOGOS enquanto outros precisam menos. Alguns PRECISAM muito de FISIOTERAPEUTA para ajudar a fazer atividade física, e outros precisam menos. Alguns TÊM mais facilidade de traçar seu caminho SOZINHO, outros PRECISAM de muito apoio da FAMILIA e de PROFISSIONAIS DA SAÚDE. Todos estão CERTOS e SÃO VERDADEIROS casos de dor crônica difusa e persistente! Todos devem ser RESPEITADOS e AJUDADOS!
O importante é VOCÊ, paciente com dor crônica, IDENTIFICAR quais as SUAS necessidades, e IR a luta, buscar ajuda!





POSTERS PUBLICADOS

Poster: Canadian Pain Society Meeting - Ottawa 2007
Artigos relacionados:



Poster: Congresso Brasileiro de Dor - Goiânia 2008



Comentários

  1. Oi Ju. Não sabia da existência do seu blog e do trabalho Educa a Dor. Muito legal mesmo. Agora então temos que tocar os projetos para frente.
    Parabéns.

    bjs

    ResponderEliminar
  2. Oi eu sou a Ana camila tenho 25 anos e tenho fibro desde os 19.E sofro muito com disturbios de humor.

    ResponderEliminar
  3. Oi sou Fisio, colega de vcs
    Parabéns pelo trabalho !
    Divulgarei os serviços à comunidade que vcs desenvolvem,
    Att,
    Angelita

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Prevenção da dor crônica

O tratamento precoce de qualquer doença sempre foi uma sábia ação.Com a dor não é diferente. Não sofra à toa! Não tente suportar a dor em situações difíceis e sobretudo, Não deixe que a dor influencie a sua qualidade de vida! Tome uma atitude, adote estratégias (farmacológicas ou não) para o conter o sintoma. 
Eu me lembro bem, eu no pós-operatório da minha cirurgia de apendicite (com 9 semanas de gestação do meu primeiro bebê). Acordei e senti dor. Pedi analgésicos até chegar a um vestígio do sintoma. Eu não ia sair dali com dor né!? Eu estava no melhor local para ser medicada, tinha que garantir meu conforto ali, no hospital, tanto no pré operatório quando no pós! Afinal de contas se estudamos a dor crônica e verificamos que cirurgias com analgesia ineficaz são potenciais fatores de risco para a dor persistente - eu não queria isso de brinde!? E Nem você! Então fale SEMPRE e não sinta dor à toa.
(abro parênteses para defender a dor do parto natural - esta não é uma dor à toa, é uma do…

Dor no Frio - piora? o que fazer?

Desmistificando a Hérnia de Disco - Entrevista

08/10/2016Saúde Mal recorrente na população adulta, cerca de 30% das dores na coluna
podem se tornar crônicas – com maior intensidade e duração. Entre as causas mais
comuns, está a Hérnia de Disco. Advinda de uma fissura no disco intervertebral,
é resultado da má postura, de exercícios ou movimentos bruscos, que pressiona
os nervos da região e gera dor.
“Entre cada corpo vertebral, há um disco intervertebral, cuja função é amortecer e garantir a mobilidade da coluna em diversas direções. A hérnia é uma projeção do disco além do limite do corpo vertebral, uma espécie de massa de modelar seca que, ao mobilizar, perde sua integridade – ao contrário de uma massa nova, úmida, que podemos trabalhar em várias direções sem desmanchar”, explica a dra. Juliana Barcellos, Coordenadora Científica do Comitê de Dor e Movimento da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED).
A fisioterapeuta alerta que uma quantidade significativa da população adulta sofre de hérnia de disco e apo…