Avançar para o conteúdo principal

Educação em Saúde, "Empowerment" - o que é?

Nosso principal objetivo como prestador de serviço em saúde é ajudar o paciente a ser autônomo em seu tratamento. Afinal de contas ele é quem vive e convive diariamente com o sintoma, ele é o Expert da situação.

[Tradução da Charge: "Os pacientes sabem mais de sua doença do que eu. Eu preciso ter/conseguir ter um modem mais rápido, Internet de acesso mais rápido do que eles"]

Este movimento de educação em saúde é cada vez mais pesquisado e estudado em grandes universidades, e desta forma, conquista seu espaço na clínica.
No inglês falamos em "empowerment" (empoderamento). Do ponto de vista clínico (e prático) este termo significa que o profissional da saúde (médico, enfermeiro, fisioterapeuta, etc) DEVE PERMITIR que VOCÊ (paciente) POSSA APRENDER a TER o CONTROLE de sua condição de saúde. Este movimento vê o paciente como o protagonista no processo de tratamento e o profissional da saúde passa a guiar o paciente nesta - longa - caminhada.

Podemos fazer uma analogia com a alfabetização. Este processo inclui uma orientação para a identificação das letras, sílabas e palavras para enfim permitir a compreensão da linguagem escrita. Porém, sem o esforço do aluno de nada adiantaram as aulas e o esforço dos professores.

Durante o tratamento da dor crônica nós seguimos passos semelhantes. As "Écoles Interactionnelles" (École du Dos) iniciam pela identificação dos sinais e sintomas, aplicação de diferentes técnicas e estratégias para o controle da dor, para enfim permitir a prevenção das crises, redução na duração e intensidade da dor.
Assim como no processo de alfabetização,  devemos identificar qual idioma iremos falar (ex: português e francês). No caso da dor crônica devemos que identificar juntos (paciente e terapeuta) qual a linguagem da expressão e manifestação da dor em cada pessoa. Não há uma fórmula exclusiva para cada indivíduo, mas sim técnicas e métodos básicos que são adaptados e construídos de acordo com as necessidades de cada um.

Estar junto, 
Guiar o processo de auto-conhecimento 
e de auto-tratamento 
- estas são as funções do Profissional de Saúde do Século XXI -

Acredite sempre em seu potencial! 
Siga em frente nesta caminhada em busca do auto-tratamento.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Prevenção da dor crônica

O tratamento precoce de qualquer doença sempre foi uma sábia ação.Com a dor não é diferente. Não sofra à toa! Não tente suportar a dor em situações difíceis e sobretudo, Não deixe que a dor influencie a sua qualidade de vida! Tome uma atitude, adote estratégias (farmacológicas ou não) para o conter o sintoma. 
Eu me lembro bem, eu no pós-operatório da minha cirurgia de apendicite (com 9 semanas de gestação do meu primeiro bebê). Acordei e senti dor. Pedi analgésicos até chegar a um vestígio do sintoma. Eu não ia sair dali com dor né!? Eu estava no melhor local para ser medicada, tinha que garantir meu conforto ali, no hospital, tanto no pré operatório quando no pós! Afinal de contas se estudamos a dor crônica e verificamos que cirurgias com analgesia ineficaz são potenciais fatores de risco para a dor persistente - eu não queria isso de brinde!? E Nem você! Então fale SEMPRE e não sinta dor à toa.
(abro parênteses para defender a dor do parto natural - esta não é uma dor à toa, é uma do…

Dor no Frio - piora? o que fazer?

Desmistificando a Hérnia de Disco - Entrevista

08/10/2016Saúde Mal recorrente na população adulta, cerca de 30% das dores na coluna
podem se tornar crônicas – com maior intensidade e duração. Entre as causas mais
comuns, está a Hérnia de Disco. Advinda de uma fissura no disco intervertebral,
é resultado da má postura, de exercícios ou movimentos bruscos, que pressiona
os nervos da região e gera dor.
“Entre cada corpo vertebral, há um disco intervertebral, cuja função é amortecer e garantir a mobilidade da coluna em diversas direções. A hérnia é uma projeção do disco além do limite do corpo vertebral, uma espécie de massa de modelar seca que, ao mobilizar, perde sua integridade – ao contrário de uma massa nova, úmida, que podemos trabalhar em várias direções sem desmanchar”, explica a dra. Juliana Barcellos, Coordenadora Científica do Comitê de Dor e Movimento da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED).
A fisioterapeuta alerta que uma quantidade significativa da população adulta sofre de hérnia de disco e apo…